Tire suas dúvidas sobre adaptação escolar

Saiba o que fazer para seu filho encarar as mudanças nas rotinas escolares sem medo e ansiedade
 
que parece simples para nós, adultos, pode não ser para as crianças. Muitas ficam tensas, estressadas e ansiosas porque terão que se adaptar à rotina novamente e encarar mais desafios. Por isso é importantíssimo que os pais demonstrem empatia e acompanhem todo o processo de readaptação: só assim o pequeno conseguirá retomar os estudos com segurança e autonomia. Entre as questões, estão lidar com os professores e colegas novos, readaptar-se aos horários… A seguir, veja dicas das pedagogas Amanda Rabello e Érika Favato, diretoras da Creche Escola Help Mãe.
 
O início


A adaptação, portanto envolve muitos fatores e sentimentos das crianças, família e profissionais. 
Precisamos interpretar às diversas maneiras da criança se expressar e muitas delas no período de adaptação choram, mas logo estarão adaptadas ao ambiente e aos novos amigos.
De acordo com as pedagogas, eles sempre ouvem: “Nenhuma mudança é fácil!” e explicam que o segredo é tudo ser bem conduzido. “Para que uma adaptação escolar ocorra da melhor maneira possível, precisa ser bem conduzida, minimizando sofrimentos desnecessários”, completa Amanda Rabello e Érika Favato.

Faça um calendário para registrar a volta da rotina e restabeleça os horários de sono de seus filhos, pois isso é um fator essencial para que ele acorde bem para o dia escolar. Além disso, quanto mais os pais falarem o quanto é bom rever os amigos, fazer novos colegas e aprender coisas novas, mais feliz e tranquila a criança vai ficar.

Em todo caso, na primeira semana, é comum o pequeno relutar na hora de ir estudar. Se a resistência continuar por mais tempo, algo pode estar errado.  “Não existe um tempo determinado para essa adaptação, para essa transição precisamos de calma.”, explica as diretoras da Creche Escola Help Mãe.

 

Siga as principais dicas para os pais de adaptação da Creche Escola Help Mãe:

A vinda da criança para a creche deve ser preparada, entretanto evitar longas explicações colocando para a criança na medida de seu entendimento que na Creche fará novos amigos, vai fazer trabalhinhos e brincar, o diálogo entre a família,os educadores e a criança é fundamental e  ajudará bastante.por volta dos dois  anos de idade é essencial envolver a criança nos preparativos para ir à escola,como arrumar a mochila, uniforme, pois isso faz com que a criança se sinta cuidada e se sinta participante.

Cuidados para que não aconteça no mesmo período da adaptação escolar outro tipo de adaptação, como: mudança de quarto, de residência, retirada de fraldas ou chupetas, perda de algum parente próximo ou animalzinho de estimação (passar qualquer caso para a professora e para a Direção).

O choro na hora da separação é frequente e nem sempre significa que ela não queira ficar na Creche ou Escola.Mesmo sendo um momento regado ao choro é importante que os responsáveis façam essa despedida, passando confiança e honestidade com a criança desde pequena.

A ausência do choro também não significa que a criança não esteja sentindo a separação ou que já esteja adaptada.

Evite comentar sobre a adaptação da criança em sua presença.

Cabe ao responsável entregar a criança ao professor colocando-a no chão e incentivando-a entrar na escola sozinho como os outros amigos e  em caso de bebês entregar no colo das Crechistas e é muito importante que o responsável participe o tempo todo da adaptação,participando das atividades e passando para as auxiliares “dicas” de como colocar o bebê para dormir, como ele se alimenta,qual o horário q está mais sonolento, e esse horário de adaptação deve ser aumentado gradativamente.

Despeça-se naturalmente, mesmo que seja difícil e nunca saia escondida!

A sala de aula é um espaço que deve ser respeitado e sua presença nele além de dificultar a separação fará com que outras crianças cobrem a presença de suas mães.

Se os pais confiarem na Creche esse sentimento será transmitido à criança de forma natural, e ela se sentirá segura e protegida!

O período de adaptação varia de criança para criança, é único e deve ser avaliado individualmente.

Pergunte de maneira criativa como foi o dia na escola (evite interrogatórios)

É normal que durante a adaptação à criança apresente alguns sintomas psicossomáticos (febre, sono agitado e etc…)

Para bebês de 0 meses até dois anos de idade:

1° Semana:

Primeiro,segundo e terceiro dia, entregar o bebê a responsável da turma,permanecer duas horas em sala de aula, participando das atividades.

Quarto e quinto dia, entregar o bebê e permanecer entrando e saindo da sala de aula e não ficar por mais de 3 horas.

2ª Semana:

Inicia-se a semana com um período de três horas.

Este período será aumentado gradativamente até que seja o horário normal da criança na ESCOLA ou na CRECHE e caso necessário o responsável será convidado a participar da rotina mais alguns dias.

O RESPONSÁVEL ou MÃE do aluno(a) deverá permanecer na escola na primeira  e segunda semana de ADAPTAÇÃO para que, se necessário, o professor leve o aluno para ver seu responsável.

Para crianças maiores de 2 anos:

1° Semana:

Primeiro dia: Levar o aluno até a porta da SALA DE AULA ou ENTRADA DE ALUNOS (se despedir). Tempo de permanencia: 2 horas.

Segundo dia: Levar o aluno até a porta da SALA DE AULA ou ENTRADA DE ALUNOS  (se despedir). Tempo de permanencia: 3 horas.

Terceiro, quarto e quinto dias: Aumenta-se uma hora de permanência por dia do aluno.

O RESPONSÁVEL ou MÃE do aluno(a) deverá permanecer na escola na primeira semana de ADAPTAÇÃO para que, se necessário, o professor leve o aluno para ver seu responsável.

2ª Semana:

Inicia-se a semana com um período de três horas.

Este período será aumentado gradativamente até que seja o horário normal da criança na ESCOLA ou na CRECHE.

Lembrando que durante esse o período de adaptação varia de criança para criança e é importante que a escola ou creche mantenha o contato com os pais. “Durante o período de adaptação haverá sempre uma troca de informações e um contato direto com as professoras, coordenadoras e direção.”, finaliza Amanda Rabello e Érika Favato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *