Casamento….. Como é o seu?

Como deve ser o casamento na sua ótica? Quais são os critérios para ter um relacionamento feliz? Como é o seu casamento? Ficar mais tempo com o cônjuge está gerando conflitos? Você é feliz de verdade?

Falar de casamento é um assunto muito extenso e com muitos detalhes, mas vamos destacar algumas considerações para iniciarmos uma análise, uma reflexão.

Afinal, de acordo com a publicação da Revista Veja (edição de 31 de dez. de 2017), um levantamento aponta mais de 7 milhões de dissoluções registradas no País entre 1984 e 2016, ou 580 divórcios por dia, ante 29 milhões de matrimônios.

Casamento é um relacionamento entre duas pessoas com suas diferenças,  costumes, valores, atitudes, hábitos, desejos, sonhos, perspectivas, segurança, amor que se completam em alguns pontos, são similares em outros e se divergem totalmente noutros.

Mas apesar de pontos divergentes e das diferenças, o que move as pessoas para um casamento é o de sempre: o amor.

Será? Sim, na grande maioria ainda é o amor

 

Mas porque estamos vendo tantas separações? O amor acabou? Então, não era amor de verdade?

Dentro da Psicologia, vamos tratar como um sentimento muito forte, uma emoção tão elevada, que supera qualquer razão que me faça enxergar com clareza e coerência aquilo que não gosto no outro.

No começo tudo são flores porque continuamos com a emoção falando mais alto que a razão.

Passados alguns anos ou alguns meses, essa cortina da emoção exaltada começa a se abrir e passamos a enxergar alguns detalhes dizendo: “Você mudou, você não era assim”.

Grande mentira, era sim, mas você não podia perceber. Saiba que ninguém muda totalmente, as pessoas têm suas características, portanto, não houve mudança.

É ai que começa a “quebra” daquele sentimento forte e grande que se tinha antes do casamento. Mas quem percebe? Começa a se criar uma tolerância que pode aumentar ou diminuir com o tempo, depende da atitude do casal.

Casamento ou separação: pelo o que optar?

 

Separar é a solução? Acredito que ninguém se casa com esta intenção, entretanto, temos hoje mais divórcios do que casamentos.

A relação matrimonial vai se acabando não só pelas diferenças, mas porque não existe o fator número um,  que eu chamo de principal: o diálogo.

Sim, o casal não conversa, não se coloca, não é só a falta da comunicação do dia a dia, mas daquilo que não está satisfeito e, então, dialogar.

Dizer como está se sentindo, encarar olho no olho e expor, mas não somente o cotidiano, mas sim o que está lhe afligindo, o que não está lhe agradando, para, só assim, aperfeiçoamos os detalhes da relação. Pratique!

E quando perguntam se os opostos se atraem? Essa é uma leitura mal interpretada, pois eu não acredito numa relação onde as oposições são muito grandes e variadas: não tem como dar certo.

Acredito que as pequenas diferenças existam para equilibrar um ao outro, por isso, repare que todo casal tem características opostas. Por que será que escolhi uma pessoa com determinadas oposições? Por que eu tenho que aprender algumas coisas com esta outra parte?

Ainda há salvação?

 

O fator número dois que desintegra a relação é a falta de cultivo na própria relação.

O carinho diário, o beijo, a atenção, momentos românticos, o respeito, a lealdade, a fidelidade, entre outros.

Sempre digo aos meus pacientes que o casamento é como uma planta, precisa ser regada, senão seca, e quando a secura chega à raiz, não adianta encharcar de água, porque não sobrou nada que pudesse sustentar a relação.

Quando o casal chega ao meu consultório, a primeira coisa que verifico é se ainda existe algum sentimento entre o homem e a mulher. Preste atenção, não é entre a mãe e o pai ou entre o marido e a esposa, porque esse sentimento não sustenta casamento, eu preciso saber como está a relação entre o homem e a mulher.

As demais relações citadas suportam um casamento até que um dos lados desiste e pede a separação, principalmente quando os filhos estão crescidos ou se casam, surgindo o sentimento da Síndrome do Ninho Vazio. Então, um olha para o outro e eles percebem que só restaram essas duas pessoas estranhas, o que é muito triste.

O casamento foi feito para duas pessoas unirem suas felicidades, mas são poucos que vivem isso de fato, porque não souberam administrar no decorrer da convivência.

Felicidade no casamento de fato existe?

 

Sim, existe! Conheço casais que tiram o final de semana somente para os dois, seja para viajar, ir ao motel, jantar fora ou qualquer atividade que eles aproveitem em conjunto.

Também há aqueles que no meio da semana se sentam no sofá e degustam um vinho com queijos para conversar e se curtir. Não estou falando de sexo, mas de compartilhamento, amor, carinho, o sexo é uma consequência.

Não deixe seu casamento falir, dê o primeiro passo,  busque ajuda, procure um profissional que possa lhe orientar.

Lembre-se de que numa relação não existe um culpado: os dois são responsáveis pela saúde conjugal.

Cristine Lima.jpegQuem é Cristine Lima?

 

Cristine Lima é psicóloga clínica (CRP 06/43571-9) há mais de 27 anos, além de diretora da Clínica Eubiose Integração em Saúde.

É pós-graduada em psicologia hospitalar, psicomotricista, orientadora vocacional, entre outros, além de palestrante e coautora do livro Mulheres Invisíveis, sobre violência contra a mulher, com previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2020.

Saiba mais em @cristine.psicologia e @clinica.eubiose.

3 Replies to “Casamento….. Como é o seu?”

  1. Muito interessante o texto! Realmente um casamento pra dar certo tem que haver mesmo muito dialogo.
    Aqui em casa conseguimos nos comunicar e nos entender. Temos nossas diferenças é claro, mas com respeito vamos nos relacionando da melhor maneira possível.

  2. Parabéns, pelo profissional sério que é, e sei que vai ajudar a muitos. Vou compartilhar, porque acredito em soma só assim para termos sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *