ZUMBIDO E ESTRESSE: alerta no ambiente corporativo

O ciclo vicioso entre estresse e zumbido nos executivos pode afetar diretamente os resultados das empresas
Em tempo de quarentena, pandemia e home office, o descontentamento com colegas ou chefias, sobrecarga de trabalho, pressão para cumprir prazos e metas, assédios, insatisfação salarial ou com a política da empresa, instabilidade financeira, falta de reconhecimento, sensação de incompetência profissional e, até mesmo, monotonia por atividades rotineiras são os fatores estressantes mais comuns dentro do ambiente de trabalho.
O estresse, capaz de afetar o equilíbrio interno, causa doenças já bem conhecidas, como a gastrite, o infarto e o derrame, e é responsável por transtornos emocionais, como a ansiedade, a depressão e a síndrome do pânico. Entretanto, ele frequentemente tem causado outro sintoma: o zumbido no ouvido. O problema, que acomete cerca 15% da população mundial e mais de 28 milhões de brasileiros, independente do sexo ou da idade, é considerado invisível porque nem mesmo exames avançados não conseguem detectar a presença do zumbido, a não ser que o próprio paciente o revele e se queixe do incômodo.

Além do importante grau de incidência atual, outros fatores contribuem para que o zumbido se torne mais comum nos próximos anos: maior estresse, maior exposição a ruído (fones de ouvido) e a ondas eletromagnéticas (celulares e bluetooth) e mais erros alimentares (jejum prolongado e abuso de cafeína e doces). Ainda que o indivíduo não perceba ou dê o devido valor, o zumbido é considerado um sinal de alerta porque pode preceder a perda auditiva. Como medida de prevenção, todo sinal de alerta deve ser respeitado e levar o paciente ao especialista o quanto antes.
Diretora-presidente do Instituto Ganz Sanchez, entidade especializada no tratamento de zumbido em São Paulo, Dra. Tanit Ganz Sanchez conta que 15% de seus pacientes passaram a ter o problema por causa do estresse. Em outros 40%, o zumbido é motivado pelo estresse aliado a outras causas como problemas de audição, circulação, músculos do pescoço, mandíbula, entre outros.
As consequências do zumbido podem comprometer a qualidade de vida de maneira significativa. Considerando que o estresse é uma das causas universais de zumbido, tal repercussão pode ocorrer com qualquer profissional, inclusive nos mais altos escalões empresariais. Na prática, significa que o estresse pode levar ao zumbido e vice-versa. Para um trabalhador, ter zumbido diariamente significa insônia, falta de concentração, cansaço crônico, irritabilidade, ansiedade ou depressão, deterioração de relacionamentos familiares e profissionais e desmotivação para o trabalho, o que diminui o rendimento profissional.

Considerando que os resultados das organizações empresariais podem ser prejudicados por fatores invisíveis como o zumbido, as corporações deveriam investir no diagnóstico e tratamento do sintoma a fim de melhorar o rendimento e a produtividade dos seus colaboradores. O Instituto Ganz Sanchez, primeiro centro especializado no sintoma da América Latina, recebe os pacientes para investigação dos possíveis fatores relacionados ao zumbido, o que permite classificar os diferentes subgrupos e escolher o melhor tipo de tratamento, personalizando-o de acordo com as necessidades de cada paciente.
Sobre o Zumbido:
Apesar de muitas pessoas pensarem que não existe tratamento para o Zumbido, já existem técnicas apropriadas e vários pacientes já obtiveram melhora no sintoma, e ainda, alguns alcançaram a cura. Mas, para que seja iniciado o tratamento, é preciso uma análise minuciosa do paciente que englobe a rotina de trabalho, os hábitos alimentares –  a ingestão de gorduras, cafeína e doces – se toma alguma medicação de uso contínuo e qual o volume e a intensidade que o paciente escuta música, dentre outros. Só com esse perfil traçado será possível tratar o paciente de forma adequada, seja com medicamentos, terapias complementares ou com a reeducação para algum hábito ruim.

Há esperança para pessoas que sofrem com Zumbido
“Há anos estudamos pessoas com sintomas pouco valorizados pela Medicina, como o Zumbido. Ver pessoas que sofrem e não sabem o que fazer, nem onde procurar ajuda, mexe com a gente! Por isso criamos algumas medidas que podem ser feitas por todos, independente de morar perto ou longe de um centro avançado” ressalta a especialista.
“Com o passar do tempo, temos CERTEZA de que o ZUMBIDO será um problema mais conhecido, mais investigado e tratado com mais sucesso!”, declara Dra. Tanit Ganz Sanchez.

Sobre a Dra. Tanit Ganz Sanchez:

• Médica Otorrinolaringologista formada pela Universidade de São Paulo;
• Profa. Livre Docente e Associada da Otorrinolaringologia da Universidade de São Paulo
• Orientadora de pós-graduação da Fonoaudiologia da Universidade de São Paulo;
• Pesquisadora dos incômodos dos ouvidos há mais de 25 anos, reconhecida internacionalmente como referência para assuntos relacionados sobre a “Quadrilha do Ouvido;
• Fundadora e Diretora do Instituto Ganz Sanchez que há mais de 10 anos que é direcionado exclusivamente ao estudo e atendimento de pessoas com Zumbido, Misofonia e Hiperacusia;
• Criadora e coordenadora do: – GANZ: Grupo de Apoio Nacional a Pessoas com Zumbido;
• Idealizadora do Novembro Laranja (Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido); –
• Idealizadora da TV Zumbido (www.tvzumbido.com.br);
• Blitz do Ouvido (no Programa Bem Estar Global)
• Membro da ABORL-CCF;
• Membro do Corpo Editorial das revistas científicas: Clinics, International Archives of Otorhinolaryngology e Brazilian Journal of Otorhinolaryngology;

Serviço: http://www.institutoganzsanchez.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *