Volta as aulas, a falta de atenção pode ser causada por problemas no ouvido

Dra. Tanit Ganz Sanchez – médica otorrinolaringologista explica que é fundamental observar detalhes simples nas crianças, como tampar os ouvidos com as mãos, medo de altura e falta de atenção.

A volta as aulas é um período em que papais, mamães e professores precisam ficar atentos a sinais que as crianças emitem. Algumas diferenças comportamentais podem estar associadas aos problemas auditivos, como Hipersenbilidade Auditiva, Tontura e Zumbido.

Assim, sabendo que o bom funcionamento do ouvido é fundamental para que a criança consiga captar e se conectar com informações dos diferentes ambientes, fica fácil entender porque o desempenho nas atividades do dia-a-dia pode ficar comprometido.
“Normalmente, as crianças que apresentam algum problema no ouvido tendem ao isolamento e optam por não brincar com outras crianças. Algumas que apresentam tontura por problemas no labirinto fazem xixi na cama porque receiam levantar para ir ao banheiro. Também é importante lembrar que esses os problemas do ouvido aparecem mais disfarçados nas crianças do que em adultos, principalmente os de labirinto. Muitas vezes eles estão associados a erros alimentares, alergia ou infecções no ouvido”, explica a Profa  Dra. Tanit Ganz Sanchez.

criança aula 2.jpgA criança que apresenta tontura pode parecer desatenta, pois faz esforço para buscar uma posição mais confortável para amenizar o problema. Aquelas crianças que não atendem aos chamados dos pais ou professores podem ter  zumbido no ouvido e até algum grau de perda auditiva. “O zumbido é um barulho persistente que pode ser comparado ao som de apitos, chiados, insetos, dentre outros. Frequentemente causado pela exposição dos ouvidos das crianças aos sons muito altos, cada vez mais cedo, também pode ocorrer por erros alimentares, infecções do ouvido ou a problemas na cervical ou na arcada dentária”, complementa Dra. Tanit.

A Hipersensibilidade Auditiva também é mais comum do que se imagina nas crianças, mas os pais frequentemente acham que é “frescura” ou que os filhos estão querendo chamar atenção. “Por mais que seja natural que os sons altos incomodem mais do que os sons baixos, crianças com hipersensibilidade auditiva já começam a se incomodar com sons mais baixos do que 95 decibel (dB). Para se ter uma noção, uma conversa em volume normal alcança cerca de 65-70dB.”

Para identificar se a criança apresenta algum problema auditivo é necessário ficar atento a algumas situações: “Observar se a criança faz xixi na cama, se é desatenta ou hiperativa, se apresenta medo de altura, não gosta de colo nem de  brincadeiras de girar, subir e descer ou ainda, se tampa os ouvidos com as mãos em locais barulhentos ou até pede para ir embora”, explica a médica.

Acompanhe quais os sinais que indicam problemas auditivos nas crianças:
– A criança não reage a barulhos fortes;
– Não atende quando é chamado pelo nome;
– Pede para aumentar o som da TV, computador ou telefone com frequência;
– Se mostra “avoada”;
– Apresenta dificuldade em manter a atenção;
– Parece irritada e dificilmente faz vínculos com outras crianças;
– Prefere brincar sozinha;
– Apresenta dificuldade na alfabetização;
– Troca de fonemas na escrita;
– Apresenta dificuldade de aprendizado em geral.

O ouvido é um órgão de respostas sutis e precoces; seus sintomas não matam, mas ele é um dos primeiros a mostrar que algo não está bem. Por isso, prestem muito atenção no dia a dia das crianças e em caso de qualquer diferença de comportamento, procure o especialista.

Sobre a Dra. Tanit Ganz Sanchez:
• Médica Otorrinolaringologista formada pela Universidade de São Paulo;
• Profa. Livre Docente e Associada da Otorrinolaringologia da Universidade de São Paulo
• Orientadora de pós-graduação da Fonoaudiologia da Universidade de São Paulo;
• Pesquisadora dos incômodos dos ouvidos há mais de 25 anos, reconhecida internacionalmente como referência para assuntos relacionados sobre a “Quadrilha do Ouvido;
• Fundadora e Diretora do Instituto Ganz Sanchez que há mais de 10 anos que é direcionado exclusivamente ao estudo e atendimento de pessoas com Zumbido, Misofonia e Hiperacusia;
• Criadora e coordenadora do: – GANZ: Grupo de Apoio Nacional a Pessoas com Zumbido;
• Idealizadora do Novembro Laranja (Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido); –
• Idealizadora da TV Zumbido (www.tvzumbido.com.br);
• Blitz do Ouvido (no Programa Bem Estar Global)
• Membro da ABORL-CCF;
• Membro do Corpo Editorial das revistas científicas: Clinics, International Archives of Otorhinolaryngology e Brazilian Journal of Otorhinolaryngology;

www.institutoganzsanchez.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *