Dores lombares prejudicam a qualidade de vida

Por Dr. Renato Andrade Chaves

As dores lombares ocorrem em diversas faixas etárias e nem sempre têm uma única causa específica. Geralmente, elas aparecem em pessoas que trabalham em serviços com muita exigência física, obesos ou por causa genética. Pesquisas publicadas no The Lancet concluíram que, em todo o mundo, 540 milhões de pessoas são afetadas pela dor lombar, uma das maiores causas de incapacitação no trabalho. Este resultado se deu após uma avaliação das conclusões de pesquisadores entre 1990 e 2016, em 195 países.

As primeiras opções de tratamento devem ser a reeducação postural, fisioterapia, atividade física e uma vida mais ativa. Isso, quando o problema está no início, pois assim, o tratamento é mais eficaz, trazendo resultados bem positivos. Quando o estágio está mais avançado, o uso de medicamentos se torna indispensável, para que o paciente tenha uma melhor qualidade de vida.

Corticóides e opioides são algumas das substâncias que os médicos utilizam em infiltrações. São procedimentos de baixo risco e podem solucionar o problema, sem a necessidade de uma cirurgia. Estas infiltrações se dividem em dois tipos: as superficiais e as profundas.

Imagem relacionadaAs superficiais são indicadas nos casos em que há uma dor muscular ou mio-fascial. A infiltração é realizada em um ou mais pontos específicos e pode diminuir a dor com alta eficácia. Seu objetivo é diminuir a dor durante um período, para que o paciente possa realizar a fisioterapia ou atividade física, com maior eficiência. O melhor é que não exige internação hospitalar e seus efeitos colaterais são quase inexistentes. O paciente apenas deve ficar em repouso relativo, por três dias, após a infiltração.

As infiltrações profundas são realizadas nos casos de compressão neurológica, como estenose de canal e hérnia de disco, com compressão de nervo (conhecida como dor no ciático).  Os medicamentos utilizados são os mesmos da infiltração superficial: anestésicos e corticóides. Na estenose de canal, a infiltração realizada é peridural (muitas vezes chamada de “bloqueio”), sendo na maioria das vezes, feita pelo médico anestesista. O objetivo é a melhora da dor e da capacidade de caminhar. Na hérnia de disco, as medicações entrem em contato com o nervo e não com a hérnia. Dessa maneira, é realizada uma anestesia e diminuição da inflamação ao redor do nervo, com diminuição importante da dor ciática, muitas vezes desaparecendo totalmente.

Dr. Renato Andrade Chaves é Neurocirurgião

Especialista em Cirurgia de cérebro e coluna

Telefone: (11) 97607-9728

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *