Dez verdades sobre o desfralde

Parte essencial do amadurecimento físico e social de uma criança, o processo de desfralde não precisa se tornar um campo de guerra. Embora seja uma fase difícil para pais e filhos, o desfralde pode – e deve – ser levado com naturalidade por todos, sem parecer um momento tenso para toda a família. Afinal, todos nós já passamos por isso lá atrás.

A fisioterapeuta Tainah Albuquerque, representante da Ecokids Place, marca especialista em produtos para este período, explica que apenas entre 2% a 3% das crianças com desenvolvimento neuropsicomotor adequado e sem doenças crônicas ou neurológicas apresentam problemas durante o desfralde. “O insucesso do desfralde é muito frequente quando iniciado na ausência de sinais de prontidão. Se a criança não estiver pronta, as tentativas em conclui-lo não serão eficazes. Os pais devem ser aconselhados a não se envolverem em uma batalha com o processo do desfralde, pois pode prejudicar o relacionamento entre pais e filhos, a autoimagem da criança e a aquisição natural do processo”, comenta.

A seguir, Tainah pontua dez dicas importantes, de acordo com o Manual de Treinamento Esfincteriano, para que essa fase aconteça de forma natural e com sucesso:

1 – Procure por sinais de prontidão. Aprenda os sinais comportamentais da criança quando ela estiver na iminência de fazer xixi ou coco. Além disso, incentive a criança a avisar quando ela sentir que fez xixi ou coco em pequena quantidade ou quando sentir vontade;

2 – Fale sobre o banheiro com a criança. Explique para que se usa o banheiro, para que serve o vaso sanitário e o penico, fale sobre o local onde está o papel higiênico e chuveirinho, explicando para que servem;

3 – Assegure que o penico ou o vaso sanitário sejam facilmente acessíveis. Além disso, se usar o vaso sanitário, use um redutor de assento e um apoio para pés. Até os meninos devem começar a fazer xixi sentado, pois nessa posição a musculatura do assoalho pélvico fica relaxada e permite que o xixi saia mais facilmente;

4 – Escolha o momento certo. O desfralde é um processo de amadurecimento. Se a criança não estiver pronta para a transição, provavelmente não irá acontecer neste período ainda. A fralda não é simplesmente tirada, ela é deixada pela criança;

5 – Demonstre o método a criança. Permita à criança assistí-lo a usar o banheiro. As crianças aprendem por imitação. E lembre-se: nunca devemos forçar a criança a sentar-se no penico ou vaso. Porém, criar a rotina de horários pode ajudar e muito;

6 – Realize o reforço positivo. Elogiar o sucesso e a tentativa de avisar, mesmo quando ocorre perda, é muito eficiente. Mas lembre-se que encorajar a criança com elogios não significa presentear. Premiações não são permitidas. Não podemos premiar uma criança que ficou boa de uma gripe, por exemplo. O desfralde é um processo fisiológico e não depende da força de vontade da criança. Portanto, não é permitido qualquer punição e/ou esforço negativo;

7 – Lide com naturalidade e paciência. Não espere resultados imediatos, pois as perdas fazem parte do processo. É normal e inevitável que aconteçam perdas fecais e urinárias. Controle- se e não critique! Encoraje a criança e aja com naturalidade;

8 – Ensine higiene adequada. Lembra que você mostrou para a criança para que serve o papel higiênico e o chuveirinho quando explicou sobre o banheiro? Agora é a hora de ensinar como usar. Claro que, em um primeiro momento, ela não saberá como fazer tudo sozinha e será preciso que os responsáveis olhem e acompanhem como está sendo feita a própria higiene pela criança– provavelmente vai molhar o piso do banheiro e não conseguirá usar o papel perfeitamente. Mas, com o tempo, treinamento e crescimento, logo estará se limpando plenamente sozinha;

9 – Garanta a cooperação de todos os cuidadores, pais e/ou outros responsáveis, para fornecer uma abordagem consistente. Alguns objetivos e abordagens devem ser avaliados e combinados pelas famílias antes de começar o processo de desfralde. Todos devem estar alinhados (em casa, na escola, em outros locais que frequente) no processo, não esquecendo nunca o fato de que a criança precisa estar sentindo-se segura com todos que fazem parte da sua rotina para este início do desfralde;

10 – Considera-se que, quando a criança usou o penico com sucesso por uma semana, já é possível retirar a fralda. Para isso, existem calças de treinamento, que são facilmente laváveis e podem ser reutilizadas. Portanto, após sucessos repetidos, use essas calças de treinamento, como as calcinhas e cuecas de desfralde da Ecokids Place. E um detalhe importante: o ideal é que a fralda seja retirada por completo, para que a criança não se confunda durante o processo.

Dica extra, mas não menos fundamental: Elogie! Se só sentou, elogie! Se sentou várias vezes e não evacuou, elogie! Se sentou e não urinou, elogie também!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *